Se você deseja saber como se portar como crente, seja lá qual for a situação, pergunte a um incrédulo e ele lhe dirá exatamente como você deve proceder. Por incrível que pareça, o incrédulo sabe que o nosso comportamento, a nossa aparência, os nossos costumes, o nosso linguajar são distintos dos deles. Isso porque, ao longo da história, os crentes incrustaram na sociedade um estilo de vida que ficou tão evidente que até nos dias de hoje é notado, reconhecido e tido como diferente. O desaparecimento dessa diferença faz com que não sejamos mais notados. Onde estão os crentes? Não são mais distinguíveis!

Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus.
1 Coríntios 10:31

O versículo nos ensina que tudo o que fazemos, as nossas ações, o nosso vocabulário, a nossa forma de vestir, a música que ouvimos, as coisas que lemos, a nossa aparência, o nosso comportamento, a educação de filhos etc. deve ser para a glória de Deus.

Se com o nosso estilo de vida, estamos provocando dúvidas àqueles que nos vêem, não estamos fazendo tudo para a glória de Deus. Por mais que pareça “careta” para alguns esta tese, não podemos abrir mão da diferença. Ela é distinta e o mundo a reconhece e aprecia. Por que copiar o que não está e nunca deu certo? Por que misturar as cores? Por que ficar camuflado e parecido com os filhos de Belial?
Há algumas semanas, logo após a ocorrência do roubo de uma bicicleta, a polícia abordou um jovem de nossa igreja com a sua bicicleta. Mesmo não podendo se expressar, pois ele é deficiente auditivo, a sua aparência e sua Bíblia o livraram de maiores complicações. Imaginem se o jovem estivesse trajando roupas esquisitas, cabelos espetados, medalhão pendurado no pescoço e uma bolsa com CDs de rock da pesada. Eu acho que a situação ficaria muito complicada!

Esta pastoral pode até ser considerada “careta” para muitos, mas a diferença faz a diferença!

PR. MENDES (Pastor presidente da PIB de Atibaia – SP)