Menos é Mais

Pr. Davi Merkh

Certa vez um amigo que era muito ativista e nunca parava de trabalhar, falou para mim “O diabo não tira férias” . Ao que eu respondi “Não quero ser como o diabo!”. Mas levanta-se outra pergunta: “Deus tira férias?” . Num certo sentido a resposta é “não”.  Em João 5.17  Jesus responde aos seus inimigos, depois que ele curou no sábado“Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”.  Ao mesmo tempo Salmo 121.1-4  diz “Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro?  O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra.  Ele não permitirá que os teus pés vacilem; não dormitará aquele que te guarda.  É certo que não dormita nem dorme o guarda de Israel.”         

Mas a Bíblia em  Gn 2.1-3 diz: Assim, pois, foram acabados os céus e a terra, e todo o seu exército.  E havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito.  E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.

Entendemos que Deus não ficou exausto.  A palavra “descansou” significa que Deus PAROU.  Interrompeu sua obra criadora.  Ficou satisfeito e contemplou tudo que havia feito.  Baseado nesse padrão de um dia distinto em cada sete, iniciou-se o sábado (relacionado à palavra “descansou”), um dia separado dos demais de 7 em 7 dias.

Aprendemos algumas lições interessantes sobre nosso Deus baseado neste padrão de descanso e também de festas e feriados no VT.  Deus não é um mestre de escravos, sugando cada gota de energia e força e trabalho que temos para dar.  Deus não é um Deus ativista, exigente demais, demandando mais e mais trabalho, custe o que custar.  De fato, foi Deus que estabeleceu o padrão de um dia de descanso, reflexão, adoração e avaliação em cada sete dias.  Para Seu povo Israel, Deus exigia festas e feriados.  O calendário judaico incluia não menos de sete festas especiais durante o ano, em que Deus exigia que o povo tirasse até uma semana de folga para celebrações, lembranças, cultos especiais e festas, com muita alegria e muita comida!  (Páscoa, Pães Asmos, Primícias, Pentecostes, Trombetas, Expiação, Tabernáculos; no primeiro e no sétimo meses, principalmente, espaçadas para maior alegria e alívio, pois o homem não vive para trabalhar, mas trabalha para viver, e glorificar a Deus!).                       

Além disso, insistia que o povo deixasse a terra descanso por um ano inteiro de cada sete (o ano sabático) era um ano muito especial depois de 49 existia o ano do jubileu.  Esse é o Deus que servimos!

Não estou sugerindo que nós temos o dever de seguir o calendário judaico ou até mesmo a prática de anos sabáticos, ano do jubileu, etc. . . Existem igrejas messiânicas que fazem isso.  Mas não vejo esse padrão repetido no NT.  Como igreja de Jesus Cristo temos nosso próprio calendário baseado na obra final de Cristo na cruz.  Mas existem princípios importantes aqui.  A pergunta é “Por que Deus estabeleceu esses períodos de descanso e festa?”.

Parece-me que há pelo menos 4 respostas para esses períodos especiais, pois eles serviam pelo menos ara os propósito de : descanso, adoração, reflexão e avaliação.

Gostaria de sugerir que aproveitássemos essas épocas especiais do ano como férias, feriados e finais de semana para fazer justamente isso.  Gostaria de destacar especialmente os últimos dois itens, reflexão e avaliação, que parecem-me ser especialmente apropriados nestas épocas e para nosso dia de adoração no domingo.

Estes intervalos oferecem para nós um período de pausa no corre-corre e no stress das nossas vidas.  Olhamos para trás.  Olhamos para frente.  Examinamos nossos valores.  Percebemos nossas falhas, e também nossas vitórias.  É um tempo para voltar às bases, aos princípios que nos guiam.  Nos dá uma oportunidade de corrigir o percurso, verificar nossos pontos de navegação e criar novas forças para continuar.

Tenho aproveitado estas semanas para fazer isso, e como resultado, gostaria de compartilhar umas ideias que tenho descoberto na Palavra de Deus que estão re-orientando minha vida. Tenho selecionado um tema para essa reavaliação:MENOS É MAIS.                                                                                                  

Nossa tendência é se alguém nos pergunta como vai indo e respondemos “Mais ou menos.” Gostaria de poder dizer: “Menos foi mais!”

Em que sentido?  Tenho reparado na leitura dos Evangelhos um aspecto da vida de Jesus fascinante: Simplicidade!  Jesus ficava livre de preocupações para poder ministrar, ensinar, cuidar de pessoas. Era uma pessoa despreocupada.  Não era como nós tão carregado de preocupações com coisas, negócios, tanta correria, tanto stress.  Parece-me que Jesus fez o que o autor de Hebreus recomenda “desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança a carreira que nos está proposta” (Hb 12.1).  Na vida de Jesus, menos era mais!

Vejo pelo menos quatro áreas nas Escrituras com essa ideia de que “menos é mais”. Gostaria que tivéssemos um período de reflexão e avaliação sobre nossas vidas.  Sua vida é um stress só?  Está sempre exausto?  Sente que nunca para?  Que não tem mais energia ou vontade para servir ao Senhor?  Que sua vida está complicada demais?  Clamo a você para ouvir o que Deus está dizendo e tomar providências nesses dias para simplificar sua vida e voltar às bases, tirar alguns pesos que estão te sobrecarregando.

… CONTINUA…