Sobre o ministério feminino li o seguinte, escrito por um líder da denominação:

Pressupostos Teológicos

Todas as vezes que tentamos interpretar a Palavra de Deus com radicalismo, erramos gravemente porque a Bíblia é um livro contemporâneo e, como tal, precisa ser interpretado à luz da contemporaneidade.

Quando Paulo fala sobre os dons espirituais em Efésios, 4:11, ele não discrimina sexo ao afirmar que o Espírito Santo deu uns para pastores, outros para evangelistas, etc. Isto me leva a crer que o fato da mulher não ter sido consagrada ao pastorado até o momento se prende tão somente ao aspecto cultural e não bíblico. Uma vez que as mulheres vêm exercendo a contento outros dons que estão na mesma lista de Paulo. Quando diz em I Timóteo 3:2 que o bispo deve ser marido de uma só mulher, também está se baseando em uma fundamentação cultural.”

A minha única dúvida é: quem vai determinar o que é cultural e o que é realmente princípio ou teologia bíblica? Se livremente posso determinar que uma certa passagem bíblica tem aspectos meramente culturais e assim dar-lhe uma interpretação contemporânea, posso afirmar também que a morte de Jesus na cruz é simplesmente cultural e supor que se Ele tivesse de morrer hoje, deveria ser de um tiro de 45 na cabeça, o que acham disso? Aliás, dar interpretações contemporâneas é a frase chave daqueles que não tem coragem de dizer abertamente: assim diz o Senhor.

Já deram uma lida na “Bíblia free style”? Vou dar uma parte de sua tradução contemporânea ( Mateus 1): Livro da geração de Jesus, o cara. Da descendência de Davi e também de Abraão. Depois de Abraão, muito sexo foi feito e muitas crianças nasceram por conta disso. Essas crianças cresceram, tornaram-se adultos e também fizeram mais sexo ainda. Até que quarenta e uma gerações se passaram e nasceu um cara muito jóia chamado José.

Esse tal de José era especial por que quando a dona Maria (sua noiva) apareceu dizendo que tava grávida do Espírito Santo, ele obviamente sentiu que isso cheirava a chifre. Mas sendo um cara legal pra caramba, resolveu terminar o noivado discretamente. Mas naquela noite um anjo apareceu no meio de um sonho e de maneira bem convincente o persuadiu a aceitar a missão de ser pai do filho de Deus, que se chamaria Jesus. Eita homem santo esse tal de José!

O moleque que se chamaria Jesus, além de nascer de uma virgem (pra não desmentir a profecia), também viria pra salvar o povo das cagadas deles. 
José, cabra macho e obediente, não transou com a dona Maria até que nascesse o menino que o ultrassom celestial havia prometido
. (tradução da Bíblia Free Style).

O escrito acima é um exemplo de alguém que começou dar um sentido contemporâneo a Palavra de Deus e agora está beirando à blasfêmia.

Como porta vozes da mensagem de Deus, nossa tarefa é: compreender o texto no seu contexto literal, e depois fazer as aplicações adequadas para nossos dias, porque a palavra de Deus está sobre os tempos e as culturas (I Pe 1.24-25). O princípio Bíblico não muda, a teologia bíblica não muda, apenas as aplicações a partir de uma compreensão correta das escrituras deverão ser adaptadas. Por isso colegas, não se intimidem em manterem-se firmes na razão das escrituras mesmo que nos “estigmatizem” como radicais. A Bíblia é um livro atemporal.

Pr Wagner Ferreira

Presidente da OPBB – Sub Seção Sul de Minas